SINDE FILIPE

 
 

José Sinde Filipe (n.Coja, 1937), actor. Detentor de um extenso currículo, no teatro, no cinema e na televisão, foi um dos fundadores do C.I.T.A.C.(Circulo de Iniciação Teatral da Academia de Coimbra)quando, nesta cidade, era aluno da Faculdade de Direito.


Depois de uma curta passagem pelo Teatro Experimental do Porto, onde se estreou com António Pedro, frequentou posteriormente, em Paris, os cursos de: René Simon, Marcel Marceau, Jacques Lecoq , e em Estrasburgo o Centre Dramatique de L’Est.


Terminada a sua formação partiu para o Brasil - onde, no Teatro da Bela Vista de S.Paulo, encenou “As Visões de Simone Machard”de B.Brecht e uma comédia de Roger Ferdinand:”Mon Mari et Toi”.


Regressado a Portugal, e depois de uma breve estadia em Madrid, onde deu aulas de expressão corporal no grupo de teatro”El Búlúlú”, integrou várias Companhias, incluindo a Companhia do Teatro Nacional D.Maria, sob a direcção de Amélia Rey Colaço. Na RTP protagonizou alguns grandes êxitos, tais como: ”Pedro o Crú” de António Patrício, “O Pensamento” de Andreiev, “Knock” de Jules Romains, e “O Jogo da Verdade” de Costa Ferreira, em parceria com Eunice Muñoz - a primeira série televisiva realizada em Portugal.


No Cinema, além da sua participação como actor (prémio de melhor actor em “Sete Balas Para Selma” e, no Festival de Tróia, com “Os Emissários de Khalom” - (ambos de António Macedo)e prémio de melhor actor como protagonista em “Zeus”de Paulo Filipe Monteiro, Sinde Filipe realizou as seguintes médias-metragens:”O Piano”, “A Cama”, “A Igreja Profanada”, “A Pastora”, “O Milagre”, e “Miguel Bombarda”.


Embora actualmente mais conhecido pelo grande público devido à sua participação em numerosas séries e telenovelas - Sinde Filipe continua a ser, essencialmente um homem do Teatro e um cultor da Poesia dita, em cujo “altar”, além de outros, Fernando Pessoa ocupa, obrigatoriamente, um lugar de destaque.